Aug

15

A benção

by Cláudia Gonçalves

O doce sabor de um abraço. O abraço de um amigo… O amigo que te conhece, que te adora só pelo simples facto de seres quem és… Este sentimento é daqueles únicos, aqueles sentimentos que muitos anseiam mas que muitos nunca lhe souberam o gosto…

Da mesma forma que

deve ser olhar para um filho a primeira vez que se o vê, o mesmo sentimento de acordar de manhã ao lado da pessoa que se ama, partilhar um gelado com o irmão que se adora, saber que se tem amigos que te adoram pelo que és é das melhores coisas que se pode sentir.

Felizmente neste aspecto sinto-me abençoada, a minha vida amorosa até não é assim tão má, mas não é de tal forma interessante que valha a pena partilhar com vocês no blog, mas a minha vida em Londres , essa sim, sem dúvida!

Os meus amigos de Portugal, ou melhor, os meus amigos de antes, ficaram mais meus amigos, mais meus irmãos, mais minhas âncoras…Os meus amigos daqui tornaram-se parte da minha vida. Definem-me como eu nunca me consegui definir antes… Vêm de todas as partes do mundo, têm experiências diferentes, de passados diferentes e de histórias diferentes, mas abraçam-me todos da mesma forma, com a mesma emoção e a mesma intensidade…

Por isso me sinto abençoada, por isso não me consigo sentir infeliz nos momentos mais complicados, por isso sorrio sempre todos os dias, nesta cidade de nevoeiro, onde os ingleses só a suportam com cerveja sem lhe conseguir ver a beleza…

De Portugal, da Polónia, do Reino Unido, da França, do Vietname, Israel, da África do Sul, da Espanha, dos Estados Unidos, do caraças mais velho já conheci gente de todo o mundo, boa, má, rica, pobre, miserável, feliz…Daqueles de quem realmente gosto e que gostam de mim, aprendi a mesma lição: não há dinheiro do mundo que pague a emoção de um abraço sentido, que te deseja sorte, fortuna e alegria…

E olhem que a vida a mim, não me corre nada mal… Terá alguma coisa a ver com os amigos que tenho?

Se sim, agradeço aos anjos e aos deuses todos que conheço e aqueles que não conheço, porque destas coisas eu nunca sei bem por onde me hei-de virar. Só sei que resulta, acreditar resulta…Em tudo, sobretudo em mim…E eu acreditei que vinha aqui para aprender, crescer, viver coisas novas, diferentes…E sorrir, continuar a ser feliz, apesar das contrariedades…

Sim, é verdade… Muito feliz…E assim é…

2 Responses to “A benção”

  1. Dário Says:

    Andas inspirada… A Amizade não sendo um tema tão frequente como o Amor é sem dúvida especial e bem forte. Agora que ando mais viajado, não deixo de admirar os laços que se estabelecem entre as pessoas… quando viajo até uma cidade para ver um velho amigo, sinto que nunca estivémos separados.

    Como se diz, os amigos são a família que escolhemos. E tal como a família, estão lá para todos os momentos, bons e maus.

  2. Cláudia Gonçalves Says:

    Este é um lado meu que muita gente desconhece. Infelizmente o meu lado inspirado depende muito do meu estado de espirito e disponibilidade, coisa que nem em Lisboa nem em Londres consegue ser harmonizado. Contudo, tudo o que escrevo é sincero, gosto de partilhar ideias, sentimentos e disparates com quem as queira partilhar comigo. Sou daquele tipo de pessoas que acredita que ler e ser lida são actos dos quais se pode sempre aprender alguma coisa e enriquecer mais um bocadinho…E acredito que a arte de saber viver e saber envelhecer passa um pouquinho por aqui.

    Tens muita razão quando dizes que a Amizade é um tema pouco frequente e pouco explorado em relação ao Amor. A mim, toca-me em particular, porque me tem salvados das atrocidades da Vida, tem amenizado os desgostos e tornado mais suave as aventuras. Sinto-me uma pessoa abençoada pela Fortuna de ter amigos bons e bons amigos.

    Ter saído do meu ninho e começado uma vida de raíz em condições menos favoráveis noutro país mostrou-me ainda mais o quão especial sou por ter tanta sorte em ter amigos. Se há algo que me conforta é saber que quando escolhi a minha família de amigos fiz as escolhas certas, portanto, não posso ser assim tão burra :)

    Às vezes sinto-me culpada por não ter mais tempo, cuidado e por não poder disponibilizar-me como eles merecem… Mas pronto…Há coisas que não se podem evitar…

    Aos meus amigos e também a ti que me conheces à um ano, gosto de presenciar com boa disposição, com o meu ouvido esquerdo e o meu ombro direito e o meu sorriso para o que der e vier.

    Bjo e obrigada por andares a dar uma vista de olhos nos meus disparates.

Leave a Reply