Jun

12

Movie night…

by Cláudia Gonçalves

Depois da semana pesadota que todos tivémos ninguém na Casa das Papoilas Gigantes teve coragem de levantar um dedo depois do jantar…

Quais pub, bebidas ou risadas com os amigos… Depois da semana pesada, amigos, jantares, noitadas, greves do metro e…trabalho, o que saberá melhor do que, depois de banho tomado, nos enfiarmos na cama (feita de lavado) e curtir um filme??

Está tudo tão arrebalbado cá em casa que nem coragem tivémos para ver um filme juntos. Apresenta uma séria dificuldade escolher o filme a três ou a duas (qual queres ver? um qualquer, um qualquer…passamos horas nisto…)

Aqui a je decidida a não adormecer cedo decidiu ir ver “The Boy in the Striped Pyjamas”. Ora, fui ver às cegas…Sabia que era a história de amizade de dois pirralhos inocentes de oito anos, um judeu no campo de concentração e o filho do comandante do campo…Queria algo um bocadinho diferente do costume…Algo nem girlie nem Steven Seagal ou Fast and Furious…Ora bem, claro está que a menina aqui que chora até com o Rei Leão o filme bateu-lhe forte e feio…

Muito forte, um pouco surreal também, este filme chocou-me pela frieza com que nos atira à cara a maldade do Mundo. Porque todos nós sabemos que há maldade no Mundo, não queremos é ter consciência que somos nós a praticá-la. Este filme corta a alma porque mostra que nem a própria inocência das crianças evita o fundamentalismo, a ignorância, a atrocidade…

É intemporal o Holocausto, não fosse a Maldade parte da história da Humanidade…Mas não me consigo focalizar apenas neste episódio. Vêm-me à alma todos os acontecimentos entre todos os povos e culturas do mundo, do qual todos fazemos parte e todos somos culpados. Somos culpados de fazer mal ao nosso vizinho, somos culpados de não ver que fazem mal ao nosso colega de trabalho, somos culpados porque acharmos que o conflito Israelo Palestiniano já tem tanto tempo que já é “normal”, somos culpados porque permitimos… E isto começa nos gestos do dia a dia. Nas coisas que compramos, que vendemos, que praticamos…Somos culpados acima de tudo porque não respeitamos os outros seres humanos, e daí também não nos respeitamos a nós…

É óbvio para quem lê este artigo que fiquei seriamente perturbada pelo filme… Mas já resolvi o assunto…Pus outro…Outro que não exigisse tanto da alma…Rockandrolla….Ah Grande Guy Ritchie!!! Ao menos distrai e adoro ver um filme e comer fruta ao mesmo tempo…6 libras e enchi a prateleira do frigorífico de fruta…Claro que me iam batendo, mas ninguém me tira este pequeno prazer: uvas, pêssegos, mangas, pêros, manga, melão, morangos…Ena pá…

Ah, só mais uma coisa…Rockandrolla passa-se em Londres…O Guy exagerou um cadito…não há assim tanta gente com um sotaque britânico a viver em Londres…Até já tinha saudades de ouvir…E olham que já ando aqui à um ano…

Leave a Reply