Dec

28

“Para que levar a vida tão a sério, se a vida é uma alucinante aventura da qual jamais sairemos vivos.”

by Cláudia Gonçalves

Ahhhhhhhhh Ganda BOB!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Não é o BOB Sinclair é o o mestre…O Marley…

Este é um post iniciado a 14 de Agosto de 2008 que ainda não tinha terminado. Há mais de dois anos por terminar.

Se há coisa que tenho aprendido, é que os clichés são clichés mas têm o seu fundo de verdade. Sempre. E mais vale tarde que nunca, portanto aqui vai.

A altura do Natal e da Passagem do Ano é das alturas que mais azia me dá. Não sei porquê mas deve ser do excesso de açúcar porque me sobe-me assim umas coisas à cabeça, passa-me assim umas coisas malucas e dá-me assim umas vontades malucas de mudar umas coisas….

O ano passado mudei de casa e de emprego, sem dúvida nenhuma que mudei muito a minha vida e me tornei numa jovem mais feliz, o resultado está a vista, cada vez mais alegre e de bem com a vida.

Este ano, os azeites andam-me a subir outra vez e há que por mãos à obra. Auguram-se muitas mudanças em Janeiro e Fevereiro. Já ando de mangas arregaçadas e o cerebro cheio de minhocas. Não, não vou deixar a terra do Príncipe William, apesar de ele se ir casar com a outra, e agora já não há nada a fazer. Pelo menos mais um ano hão de ter que me aturar lá, mas agora vale tudo.

Não sou miúda de ter grandes planos, mesmo que os tenha a vida encarrega-se sempre de

me trocar as voltas, mas sei muito bem onde vou chegar. A palavra de ordem é diversão, como sempre porque como diz o grande Bob para que levar a vida tão a sério, se jamais sairemos vivos desta aventura?

Eu garanto que já tentei, vezes sem conta, viver a vida como as outras pessoas. Seria muito mais fácil para mim. Mas não me deixam. Os anos, os poucos anos em que ando por cá neste planeta, levaram-me a aprender a viver de maneira diferente dos outros. E que os outros não compreendem. Eu vivo um dia de cada vez, uma hora de cada vez, e cada momento bom que tenho experiencio-o no mais intenso sofrego como se não houvesse amanhã. Porque não há…

Eu já tentei viver a vida de forma mais socialmente aceitável. Garanto a toda a gente. Já tentei fazer planos, fazer como toda a gente, mas por mais que queira é impossivél. Não me deixam. É que todos os dias acordo com um tic tac cá dentro que me avisa todos os dias de manhã, por mais ensonada que esteja que o meu sorriso é valioso, a minha alegria preciosa e a minha felicidade de valor incalculável.

Tenho momentos tristes como todos nós, quiçá mais do que mereço e mais do que muita gente, mas todos os momentos felizes que já vivi, esses ninguém mos pode tirar… Esses já cá cantam :)

Leave a Reply